top of page

A REVELIA E A NOTIFICAÇÃO NA JUSTIÇA DO TRABALHO


Cansado(a) de comparecer as audiências inicias e a empresa Reclamada não comparecer?

Saiba como evitar o cancelamento de sua audiência inicial ou de conciliação trabalhista em razão da ausência de confirmação de ciência da Reclamatória Trabalhista.

É sabido que há alguns anos a Justiça do Trabalho vem tendo o seu orçamento reduzido.

E em razão disso, cortes de custos e gastos foram necessários e dentre esses o AR mais conhecido como aviso de recebimento, instrumento indispensável a comprovar o recebimento da notificação judicial da existência da Reclamatória Trabalhista é tratada não mais como a regra mas sim a exceção.

Assim, o AR foi substituído pelo envio da carta simples por intermédio do convênio firmado entre a Justiça do Trabalho que é da jurisdição da União e os correios através do sistema chamado e-carta, tornando um dos atos mais importantes ao impulso processual, senão o mais, em um sistema precário e completamente falho.

Nesse sentido, a ausência de confirmação da ciência da notificação encaminhada pessoalmente a empresa Reclamada, acaba por gerar excesso de insegurança jurídica a todas as partes (autor e réu) além de perda de tempo e ainda mais gastos com a remarcação de audiência e deslocamentos desnecessários. Ainda que em tempos de pandemias e virtualização das audiências não se pode esquecer da necessidade dos formalismos e atos imprescindível a assegurar o devido processo legal e o direito a defesa.

Portanto, como se pode evitar tantas perdas?

Com o advento do novo CPC e a implementação da cooperação das partes ao bom andamento e direcionamento do processo, prevê em seu art. 6º que:

Art. 6º Todos os sujeitos do processo devem cooperar entre si para que se obtenha, em tempo razoável, decisão de mérito justa e efetiva.

Tendo ainda sido atribuído ao advogado a possibilidade de executar atos processual a fim de dar bom andamento, conforme previsão do art. 455, em que é dado ao advogado a obrigação de notificar e cientificar as suas testemunhas acerca da necessidade do seu depoimento para colaborar com a justiça, muitos juízes e jurisdições tem editados portarias a fim de recomendar aos advogados que efetuem a notificação extrajudicial da parte adversa.

Assim vem sendo regulamentado e recomendado aos advogados da parte autora que promova a cientificação da outra parte acerca da existência da Reclamatória Trabalhista, bem como da data designada para a audiência inicial, a fim de dar maior amparo e celeridade, bem como em razão do novo/velho princípio da cooperação das partes, vindo a mitigar as normas processais e trabalhistas.

Portanto, diversas comarcas e jurisdições estão regulamentando a possibilidade da parte interesse após a distribuição do processo notificar por conta própria a parte adversa através de um instituto já bastante utilizado pela área cível – a NOTIFICAÇÃO EXTRAJUDICIAL com aviso de recebimento, uma vez que o intuito da parte é dar ciência a parte contrária da existência do processo, bem como da data da realização da audiência inicial de conciliação ou UNA.

Cumpre ressaltar e destacar que referido ato da parte não é obrigatório, se tratando apenas de uma recomendação, bem como não substitui a necessidade do ato pelo órgão oficial da Justiça do Trabalho.

Entretanto em sendo realizado, a parte deve efetuar a sua juntada aos autos para comprovar que a notificação extrajudicial foi cumprida.

Como dito no início, o principal escopo de se atribuir e possibilitar referido ato pela parte é a busca de maior efetividade do bom andamento processual.

Não mesmo importante, é necessário lembrar que o processo é ato solene e formal, entretanto, a Súmula 16 do TST, impõe que presume-se notificado o réu 48 horas após o envio da notificação, sendo da parte ré o ônus de comprovar que não recebeu a notificação.

Pelo exposto, temos que a notificação extrajudicial promovida pela parte autora e advogado visa dar mais amparo a notificação enviada pela Justiça do Trabalho para fins de celeridade e cooperação.

Artigo escrito por: Michelle Carolina Moraes


Advogada formada no ano de 2.010 pela Pontifícia Universidade Católica de Minas na cidade de Betim/ MG. Pós- graduada em Direito Material e Processual do Trabalho pela Damásio de Jesus. Atuante na área de Direito do Trabalho em defesas dos direitos empresariais.

364 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CNJ lança ferramenta para facilitar a execução #sniper

Segundo a Revista Consultor jurídico, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou, nesta terça-feira (16/8), ferramenta digital para agilizar e centralizar a busca de ativos e patrimônios em diversas

bottom of page