top of page

A tomadora de serviço pode restringir o uso de determinado espaços pelos terceirizados?




No ano de 2017, a Lei nº 13. 428 de 2.017, mais conhecida com a Reforma Trabalhista alterou alguns artigos da Lei do Trabalho Temporário, Lei de nº 6.019/74. E, dentre as alterações ocorridas, a mais discutida e estudada foi o fator de que a terceirização de serviços passou a ser aplicada de modo irrestrito, não cabendo mais a sua limitação as atividade meio, podendo, portanto, ser também aplicada a atividade fim.

Nesse sentido, é notório, que antes dessa modificação, os terceirizados estavam sempre a margem do contrato de trabalho, como uma classe aquém dos trabalhadores diretos da tomadora de serviço.

É sabido, ainda que o Direito acompanha a evolução social, econômica e política, sendo um ramo de atividade humanas, estando, portanto, em constante evolução e modificação.

Desta feita, ainda que dentro de um raciocínio temporal a Lei da Reforma Trabalhista já irá fazer 3 (três) anos do seu advento e vigor. Temos por bem, analisar e com um raciocínio critico entender que, assim como as leis demoram a ser modificadas, existem ainda uma necessidade de que haja um tempo para que elas possam se consolidar.

Nesse sentido, ainda que haja a previsão expressa no corpo e texto legislativo, é necessário que os agentes aplicadores diretos, quem sejam, empregadores – tomadores e prestadores de serviços estejam atentos e dispostos ao cumprimento da legislação.

Assim, a fim de assegurar a igualdade dos terceirizados ao uso comum dentro do estabelecimento da prestação de serviços, a lei a Reforma Trabalhista na parte que modificou a Lei 6. O19/74 trouxe em seu bojo, a seguinte previsão:

“Art. 4º -C. São asseguradas aos empregados da empresa prestadora de serviços a que se refere o art. 4º -A desta Lei, quando e enquanto os serviços, que podem ser de qualquer uma das atividades da contratante, forem executados nas dependências da tomadora, as mesmas condições:
I - relativas a:
a) alimentação garantida aos empregados da contratante, quando oferecida em refeitórios;
b) direito de utilizar os serviços de transporte;
c) atendimento médico ou ambulatorial existente nas dependências da contratante ou local por ela designado;
d) treinamento adequado, fornecido pela contratada, quando a atividade o exigir.
II - sanitárias, de medidas de proteção à saúde e de segurança no trabalho e de instalações adequadas à prestação do serviço.
§ 1º Contratante e contratada poderão estabelecer, se assim entenderem, que os empregados da contratada farão jus a salário equivalente ao pago aos empregados da contratante, além de outros direitos não previstos neste artigo.
§ 2º Nos contratos que impliquem mobilização de empregados da contratada em número igual ou superior a 20% (vinte por cento) dos empregados da contratante, esta poderá disponibilizar aos empregados da contratada os serviços de alimentação e atendimento ambulatorial em outros locais apropriados e com igual padrão de atendimento, com vistas a manter o pleno funcionamento dos serviços existentes.”

Assim, o seio da Lei prevê a garantia de igualdade entre os terceirizados e demais colaboradores no uso de determinado espaços e serviços, que dentro do estabelecimento comercial prestarem serviços, quanto ao uso de refeitórios, banheiro, atendimento médico. Além do uso em comum de transportes, assegurando, ainda, a todos treinamentos adequados e bem como a garantia de medidas de saúde e segurança e condições salubres de trabalho.

Por fim, a tomadora de serviços deve assegurar e garantir tanto aos terceirizados quanto aos seus empregados a igualdade nas condições de trabalho sem distinção em razão do modelo de contratação. Vale ressaltar que referida igualdade não engloba a questão remuneratória e salarial, o que ficará para uma nova e breve reflexão.

Portanto, como dito logo no início, o cumprimento e aplicação da lei vai muito além apenas da sua previsão, devendo ser ainda uma política de bem estar, igualdade e valorização daqueles que compõe o time da empresa, visto que são pessoas, seres humanos e que devem ser respeitadas e valorizadas tanto pela empresa tomadora e quanto pela empresa contratada, a fim de se evitar a permanência da precarização e desvalorização da mão de obra contratada.


 

Artigo escrito por Dra. Michelle Carolina Moraes, Advogada formada no ano de 2.010 pela Pontifícia Universidade Católica de Minas na cidade de Betim/ MG.

Pós- graduada em Direito Material e Processual do Trabalho pela Damásio de Jesus.

Atuante na área de Direito do Trabalho em defesas dos direitos empresariais.

32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CNJ lança ferramenta para facilitar a execução #sniper

Segundo a Revista Consultor jurídico, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou, nesta terça-feira (16/8), ferramenta digital para agilizar e centralizar a busca de ativos e patrimônios em diversas

bottom of page